CONDROMALÁCIA, O QUE É ISSO?

condromalaciaPegando carona no texto da semana passada sobre artrite (inflamação articular), vou falar agora de uma doença articular do joelho, a CONDROMALÁCIA.

A Condromalácia ou “joelho do corredor” é uma doença crônica degenerativa da cartilagem articular da patela e dos côndilos femorais correspondentes.

A patela é um osso móvel que se situa na porção anterior do joelho e é ele que faz a conecção do músculo quadrípes com a perna.

Seu movimento está intimamente ligado aos movimentos do joelho, pela relação direta com os côndilos femorais e com as forças geradas pelo quadríceps.

Qualquer alteração da biomecânica articular, desequilibrio de forças musculares ou “overuse” pode gerar um posicionamento incorreto da patela durante o movimento do joelho, causando assim um estresse articular e por consequência, uma degeneração da cartilagem envolvida.

A condromalácia acomete muito os jovens atletas, especialmente os praticantes de futebol, os ciclistas, esquiadores, tenistas, bailarinas e corredores.

Muitas são as causas da doença, como traumas, alteração congênita (ao nascimento) das superfícies articulares (um côndilo menor que o outro), alteração de posicionamento ósseo do quadril (as mulheres costumam ter um quadril mais largo do que os homens e isto gera mais frequentemente uma alteração de posicionamento do joelho), mas o mecanismo de lesão é o mesmo – biomecânica comprometida gera atrito articular e por consequência, lesão da cartilagem.

O sintoma característico é a dor profunda atrás da patela e ou ao seu redor, que piora com o movimento de flexão de joelho, muitas vezes restringindo atividades físicas. Além da ardência ou dor ao ficar com o joelho flexionado por longos períodos, mesmo sem forçá-lo, a crepitação e estalos, muitas vezes audíveis são bastante comuns. Assim como é comum a presença de derrame articular (edema ou inchaço do joelho).

O diagnóstico é clínico, podendo o médico fazer uso de recursos complementares como RX e Ressonância Magnética.

O tratamento geralmente é conservador, ou seja, NÃO CIRÚRGICO, onde a fisioterapia tem muito valor.

Inicialmente procura-se conter a dor e o edema, seja com medicamentos ou com recursos terapêuticos específicos como Ultrassom, Laser, Crioterapia, Bandagens etc.

Assim que possível, deve-se iniciar a reequilibração muscular, com exercícios de alongamento, estabilização articular e fortalecimento gradativo da musculatura envolvida.

A reabilitação só estará completa quando o indivíduo afetado estiver em condições reais de retomar suas atividades diárias e físicas regulares, sem sintoma algum.

Alguns casos mais graves que não respondem bem ao tratamento conservador podem contar com alguns recursos cirúrgicos como a Artroscopia, por exemplo, que é uma cirurgia pouco invasiva, que utiliza uma câmera de vídeo na articulação para guiar o procedimento médico.

Quanto mais rápido for feito o diagnóstico e mais rápido for iniciado o tratamento, melhores as condições de recuperação.

Cuide-se!

Perceba-se!

 

Ft. Ana Paula Pessanha.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s